espirais

Apoio PedagógicoApoio Pedagógico

Edições Anteriores

Cadastro

Cadastre-se para receber
mensalmente em seu e-mail.


Um problema a ser superado

Um problema a ser superado

Maria Aparecida G.Ciasca

A timidez pode impedir que as crianças tenham um bom aproveitamento na escola e uma vida social adequada, mas há solução. * Por Maria Aparecida G.Ciasca Sabemos que todos os pais são bem intencionados e procuram dar o melhor para seus filhos. Mas, às vezes, esquecem de olhar para dentro de sua criança e enxergá-la como são verdadeiros seus sentimentos. E essa compreensão é a base a partir da qual nasce a autoestima, os valores. Os pais devem abrir um espaço de amor na relação com as crianças, criando um ambiente agradável e receptivo para as experiências delas.

A criança, para se desenvolver, precisa ser amada, vista, percebida e aceita. Muitos estudos revelaram que a falta de amor, principalmente nos primeiros anos de vida, interferem no desenvolvimento e na maturidade emocional da criança. E é nessa fase que sua individualidade vai sendo lapidada pela visão de seus pais, suas crenças, seus mitos e suas verdades. Quando é forçada a fazer o que não quer ou quando os adultos exigem mais do que é capaz, ela poderá se sentir frustrada e fugir para um mundo da fantasia, onde não há barreiras e onde tudo é possível.

O medo da crítica e a rigidez excessiva podem gerar crianças inseguras, com baixa estima e que acreditam que a perfeição é a única forma de serem aceitas em casa ou na escola. Se não alcançarem esse objetivo, elas se isolam e desenvolvem uma timidez excessiva. A maioria dos adultos não sabe lidar com esse comportamento e sua primeira atitude é repreender a criança, rotulando-a ou assumindo posturas que reforçam mais ainda a sua insegurança. A criança tímida, normalmente, acredita que o mundo roda em torno de sua atuação.

Está preocupada em como os outros vão avaliar suas atitudes e seus comportamentos, não tendo coragem de assumir seus desejos. E a sua timidez a torna propensa a interpretar os acontecimentos de uma maneira ameaçadora, prejudicando sua autonomia e fazendo com que precise de ajuda para se sentir segura e tranquila.

Consequentemente, temendo ser vista, ser percebida, terá mais dificuldade de se relacionar, a criança prefere brincar sozinha.

São esses os sinais que denunciam a timidez nas crianças.

Principais causas da timidez

Quando se exige de uma criança a perfeição, ela se isola de todos, fica temerosa de ser repreendida, preocupando-se mais com a opinião alheia do que com si própria. Exigir de uma criança o que ela não pode dar só aumenta sua angústia e reforça a sua timidez.

Todos esses fatores podem provocar, nas crianças, condutas de inadaptação ou gerar problemas em sua evolução e personalidade.

• Medo de situações novas

• Falta de vivência social

• Superproteção

• Autoestima baixa e insegurança

• Medo de errar (vergonha)

Como vencer a timidez

A timidez pode ser definida como a tendência para evitar interações sociais, devido ao receio que a criança tem em ser avaliada negativamente pelos outros, sejam os amigos, os pais ou os professores. Nesse estado, é comum encontrarmos crianças com as mãos geladas, suando frio, escondendo-se pelos cantos.

Vemos crianças que, no início do ano letivo, recusam-se a ir à escola, pela situação nova e desafiadora, o que é bem desconfortável para elas. Responder a uma pergunta em sala de aula ou ter de se dirigir ao professor é um verdadeiro sacrifício, pois o medo de errar ou a sensação da vergonha de uma possível crítica, afasta-a da participação na classe e do convívio social.

Mas há solução para o problema, basta saber como agir:

1. Mostre que os problemas são questões que podem ser resolvidas com coragem, determinação e conhecimento.

2. Repreenda as falhas com orientação e os acertos com incentivo.

3. Estimule a criança a participar das atividades em classe, sempre que ela for capaz de realizar.

4. Dê segurança, carinho e estímulo, evitando comparações e rotulações, que, consequentemente, auxiliará a criança a entender seus sentimentos e a superar inseguranças.

5. Viabilize diálogos constantes, mostrando que ela é capaz e, principalmente, que ela é amada, acertando ou não.

6. Ensine hábitos sociais, manter amizades, iniciar uma conversação, etc.

7. Valorize a criança por meio das tarefas que ela saiba desempenhar bem e incentive-a a participar de outros ambientes da escola.

8. Não exponha a criança a situações de evidência e, aos poucos, crie situações adequadas para que ela tenha vontade de experimentar.

9. Não force sua participação para não deixá-la mais ansiosa e retraída.

10. Faça com que ela entenda que o perfeccionismo não é uma boa atitude (ela não precisa ser a mais popular da escola nem a melhor do time para se dar bem com os outros colegas).

Atividades

São muitas as atividades que ajudam as crianças a superarem a timidez.

Aqui vão algumas sugestões:

Teatro de bonecos ou fantoches

Essa atividade traz benefícios para a timidez: desperta a criatividade, amplia a imaginação, trabalha e exercita a voz e suas entonações e valoriza o trabalho em grupo.

Para realizá-la, peça ajuda das crianças para criarem uma história.

Os bonecos e fantoches também podem ser desenvolvidos em sala de aula com materiais recicláveis.

Música Faça um “coral” com as crianças e ensine muitas canções. O ideal é reservar um dia e uma hora da semana para os “ensaios”. Ao participar do coral, a criança sentirá sua voz e começará a se soltar e a perceber a importância do trabalho em grupo. Expressão corporal Por meio de jogos e brincadeiras ao ar livre, a criança terá disponibilidade para conhecer melhor seu corpo, sem o caráter de exibição ou competição. Oralidade na sala de aula Exponha experiências vividas pelas crianças com músicas, dramatizações e conversas informais.

Isso ajuda a desenvolver e a estimular o aluno a pensar e a transmitir opiniões em sala de aula. *Maria Aparecida G. Ciasca é pedagoga e assistente social, atuando como Consultora Pedagógica no desenvolvimento de projetos educacionais e sociais e orientações em oficinas pedagógicas.

Revista Educação Infantil, ano 5, n. 23, São Paulo: Minuano.

Todos os direitos reservados | Desenvolvido pela

Tante