espirais

Apoio PedagógicoApoio Pedagógico

Edições Anteriores

Cadastro

Cadastre-se para receber
mensalmente em seu e-mail.


O rigor pode durar a vida toda

O rigor pode durar a vida toda

Os pais precisam impor padrões de comportamento aos filhos, para protegê-los e para lhes transmitir valores. No entanto, esses limites não devem ser mais rígidos do que o necessário. Limitar excessivamente a liberdade das crianças deixa marcas para sempre. Terão para o resto da vida a sensação de estar sendo controladas, verão poucas opções à sua frente e não pensarão por conta própria. Crianças devem ter espaço suficiente para cometer erros e aprender com eles. Só assim poderão perceber que qualquer decisão na vida depende de uma escolha pessoal.

Alex cresceu em uma casa dominada por uma disciplina militar. O pai passava o dia no quartel e, à noite, agia como o verdadeiro general da família. “Não se podia fazer nada sem a aprovação dele, nos padrões de qualidade estabelecidos por ele. Rigidez é pouco para definir o que era a vida na minha casa. Foi uma infância bastante difícil” conta ele.

Alex não pode deixar de admitir que havia um aspecto positivo na forma como o pai educava os filhos, transmitindo-lhes um senso de disciplina que os ajudou a ir para a frente na vida. “Mas o custo foi alto, pois precisei fazer muito esforço para confiar em mim mesmo e na minha capacidade de escolher o melhor para mim. Era como se eu tivesse internalizado a figura do meu pai e precisasse sempre consultá-lo antes de agir, temendo ser punido se fizesse de modo diferente.”

O preço mais alto da educação que recebeu foi o fato de tê-la reproduzido com os próprios filhos. O método rígido que adotou gerou um filho adolescente rebelde e uma filha sem grandes pretensões profissionais. “Cada vez que meu filho fazia alguma coisa errada eu aumentava o castigo, e isso fazia com que ele se distanciasse de mim e adotasse certos comportamentos para me agredir. Minha filha se formou em engenharia por imposição minha, e está trabalhando nessa área, mas quer voltar para a faculdade e escolher uma profissão que a deixe mais feliz.”

Hoje, depois de tomar consciência dos prejuízos que causou nos filhos, Alex procura recuperar a proximidade com eles e ser um pai mais amoroso. “Sei que é um investimento a longo prazo, e não tenho certeza dos resultados. Pedi desculpas a meus filhos e tento reconquistá-los com minhas ações.”

Estudos que acompanharam o crescimento dos filhos durante 30 anos concluíram que aqueles que cresceram em um ambiente familiar mais rígido têm probabilidade 28% maior de se sentirem tolhidos em suas escolhas como adultos.

KASSER, KOESTNER E LEKES 2002 NIVEN, David. 100 Segredos das famílias felizes. Rio de Janeiro: Sextante, 2007.

Todos os direitos reservados | Desenvolvido pela

Tante