espirais

Apoio PedagógicoApoio Pedagógico

Edições Anteriores

Cadastro

Cadastre-se para receber
mensalmente em seu e-mail.


Necessidades compreendidas

Necessidades compreendidas

Apesar de não entenderem muita coisa nessa faixa etária, crianças de 1 a 3 anos têm necessidades comuns a outros pimpolhos. Veja quais são as principais, e tente saná-las, evitando comportamentos indesejados e reprováveis.

1. Sentir-se desejada e amada.
2. Receber cuidados, proteção e segurança.
3. Ser apreciada, aceita, e fazer parte do grupo.
4. Ter a oportunidade de explorar, brincar e aprender a cuidar de si mesma.
5. Vestir-se e usar o banheiro (essa necessidade acontece, principalmente, dos 2 aos 3 anos).
6. Repousar durante a tarde.
7. Dormir cerca de 12 horas diárias.

Seu filho está pronto para…

Comer sozinho
A partir dos 2 anos, isso pode ser feito. Comer sem a ajuda de ninguém é uma conquista importante para a criança, pois ajuda no desenvolvimento da capacidade manual e significa o começo da autonomia, já que estimula a independência. Quando o pequeno demonstra interesse e vontade de comer sozinho, ele deve ser incentivado, e nunca reprimido. Como, nessa fase, ele ainda não tem coordenação, às vezes, vai comer com as mãos. Mas isso termina quando conseguir criar habilidade para usar os talheres corretamente. Deixe seu filho aprender e se divertir com a comida. Ele certamente fará sujeira, mas esse é apenas um processo de transição até alcançar habilidade motora.

Andar de ônibus sozinho
A partir dos 10 anos, a criança pode começar a ser estimulada, com orientação e treinamento dos pais, a andar de ônibus sozinha, pois é nessa fase que ela consolida tudo o que aprendeu anteriormente – o chamado período pré-operacional. Dessa forma, ela já faz uso da lógica indutiva, identifica-se com a ordem social, e desenvolve ações com pessoas ao seu redor, podendo perguntar o destino para alguém (caso se veja perdida), parar para telefonar ou pegar a mesma linha de volta.

Cozinhar sozinho
O assunto está na moda, e a criançada tem mesmo dado um show na cozinha. Cada vez mais interessadas, é somente a partir dos 12 anos que elas já podem cozinhar sozinhas. Depois dos 6, os pais estão liberados para incentivá-las com receitas que não precisem do fogão, para evitar acidentes.

Escovar os dentes sozinho
A partir de 1 ano e meio, a criança começa a criar a curiosidade em relação a escovar os dentes. Presentear o pequeno com uma escova infantil (e depois escovar os dentes na frente dele) é uma boa tática para que a criança se interesse em levar a escova à boca. E, claro, como ainda é bem nova, os pais devem fazer uma segunda escovação, corrigindo a primeira. Já a partir dos 6 anos, ela pode escovar os dentes sozinha, sim. Contudo, permaneça atento para a quantidade de pasta de dente colocada, evitando que o excesso seja ingerido.

Tomar banho sozinho
Com 5 anos, já é legal deixar seu filho brincar com a bucha e o sabonete, pois é nessa fase que ele começa a ter noção de todas as partes do seu corpo. Mas vale lembrar que muitos acidentes acontecem na água. Portanto, para ficar tranquila, você deve permanecer no banheiro, fora do chuveiro, observando os movimentos da criança. Deixe-a descobrir como faz para se ensaboar, lavar os cabelos… E, quando terminar, verifique se está tudo limpo. Com o tempo, você vai ver que ela toma banho direitinho. Aí é chegada a hora de você deixá-la sozinha no chuveiro.

Ir ao banheiro sozinho
Na fase de tirar as fraldas, os pais podem estimular a criança a ir sozinha ao banheiro, ensinando como se usa o penico ou, até mesmo, o adaptador de vaso sanitário. Vale lembrar que, durante o processo de adaptação, o ideal é que vocês fiquem por perto para evitar que o pequeno caia do vaso. Já a partir dos 3 anos, a criança começa a ir ao banheiro sozinha, embora peça que a mãe a limpe quando faz cocô. Assim que conseguir usar o vaso (sem adaptador), já é hora de deixá-la tranquila no troninho. Apenas fique por perto, caso ela necessite de ajuda.

Amarrar os sapatos
Depende muito do desembaraço motor de cada criança. Porém, em geral, ela começa a fazer isso entre os 4 e os 6 anos. Para não frustrá-la, antes dessa idade, prefira os modelos com velcro, que são muito mais fáceis de calçar.

Atender ao telefone
Quer algo mais gostoso do que ligar para uma amiga e ser atendida por uma voz de criança? Pode ser mesmo muito fofo, mas é preciso que se tenha segurança. Com cerca de 4 anos e meio, a criança já é capaz de atender ao telefone. Diante disso, os pais têm de tomar alguns cuidados, como orientá-la para que não dê informações a estranhos sobre hábitos ou assuntos da casa. Outro fato bastante comum – e preocupante – é quando os pais não querem atender a alguém e pedem que o filho faça isso, dizendo que eles não estão em casa. Esse comportamento incentiva o pequeno a mentir, já que ele tem os pais como exemplo.

Cuidar de um animal
Toda criança adora um bichinho. Mas a responsabilidade para cuidar dele só
vem a partir dos 8 anos, ou mais. Ainda assim, os pais precisam sempre lembrar o filho de cuidar do animal todos os dias, ou seja, dar comida e água, levar para passear e ajudar a limpar o cocô e o xixi quando necessário.

Ganhar mesada
Apesar de a capacidade de administrar o dinheiro não estar desenvolvida antes de se iniciar a adolescência, com 8 anos, a criança já pode receber uma pequena mesada. No entanto, é a partir dos 13 que se deve exigir algum tipo de planejamento e responsabilidade com o dinheiro.

Passar as férias na casa dos avós
A maturidade da criança e o bom-senso dos pais também contam muito aqui. Porém, vamos supor que os pais precisem que o filho viaje com um parente, não importando o motivo. Mesmo quando a criança já é mais independente e fica bem longe dos pais (normalmente a partir dos 8 anos), é legal que se tenha na mala algum objeto de estimação, para que ela, mesmo amando a casa da avó ou da tia, não se sinta completamente sozinha. Cuidados com alergia e horários corretos para o uso de medicamentos devem ser informados aos responsáveis, assim como os hábitos do pequeno para que a rotina não seja tão alterada.

Preparar o próprio lanche
A partir dos 6 anos, a criança já pode preparar o próprio lanche, desde que os pais supervisionem, evitando acidentes com objetos cortantes. Com essa idade, o pequeno já conhece um pouco o seu paladar e, portanto, pode muito bem abrir a geladeira e colocar o queijo sobre o pão, se assim ele quiser.

Ajudar nas tarefas domésticas
A partir dos 6 anos, as crianças podem ajudar nas tarefas domésticas, sempre com os pais supervisionando para que não aconteçam pequenos acidentes com vidros ou objetos cortantes.

Deixar as fraldas
A partir dos 2 anos e meio, a criança já deve começar a ser estimulada pelos pais a usar o penico, deixando a fralda. No entanto, esse é um processo muito
sério, e deve ser tratado com cuidado. Por se tratar de uma adaptação na vida do pequeno, tudo deve ser feito com calma.

Tocar um instrumento
Música é sempre bem-vinda. Trabalha a sensibilidade, ajuda no desenvolvimento da memória e da criatividade da criança, além de enriquecer a cultura. As aulas de música podem ser iniciadas desde bebê. Porém, aos 7 anos, a criança está mais preparada para tal habilidade.

Ter um celular
A partir dos 12 anos, fase em que se inicia a adolescência, ela já pode ter um celular para se comunicar com os amigos e, principalmente, com os pais. Localizar o filho na hora que quiser pode ser bom, mas, se fizer desse instrumento algo muito controlador, a reação do jovem não será nada positiva. Ter um celular vai muito da rotina da casa. Se os pais trabalham fora, o filho fica no clube, pega ônibus e costuma fazer as atividades sozinho, é bacana comprar um. Caso contrário, não há necessidade. Três dicas: pré-pago garante o limite da conta, bateria carregada é fundamental e cuidado com os trotes. Neste caso, a informação e a orientação dos pais são imprescindíveis.

Vestir-se sem ajuda
A partir dos 4 anos e meio, a criança começa a se vestir sozinha. Porém, o interesse pelo assunto pode surgir antes, especialmente aos 3 anos, quando ela começa a querer escolher sua própria roupa.

Comer com talheres
Com 5 anos, os pequenos já começam a utilizar a faca e o garfo, embora ainda apresentem alguma dificuldade motora. Por isso, o incentivo dos pais é fundamental, já que a criança deve comer sozinha para que melhore a coordenação dos movimentos a cada dia.

Usar maquiagem
As marcas de cosméticos oferecem linhas infantis e, claro, as pequenas se derretem com as cores e os efeitos das maquiagens. Sem cair na polêmica de que a criança é criança e, portanto, não se deve adiantar as etapas da vida, o uso de maquiagem requer um bom-senso dos pais. A partir dos 7 anos, um brilho no lábio não faz mal algum. No entanto, tenha muita calma em relação aos tons fortes, aos esmaltes exagerados e às bochechas rosadas. Não antecipe nem adie o processo. Se sua filha gosta de maquiagem, combine com ela o que usar e quando.

Sair do berço
Isso pode ser feito antes mesmo dos 3 anos de idade. Contudo, a transição deve se dar do berço para uma minicama com grades laterais, evitando tombos.

Usar copo sem tampa
A partir dos 4 anos, as crianças já podem usar o copo sem tampa. Porém, acidentes acontecem. Se o copo cair ou o líquido derramar, tenha paciência. Afinal, elas ainda estão aprendendo.

Cuidar do irmãozinho
Antes de permitir que o irmão mais velho “cuide” do pequeno, os pais devem observar o comportamento das duas crianças. Se existir ciúme, é preciso tomar cuidado com as provocações. Uma criança de 8 anos pode ajudar a cuidar do
irmão, mas o limite das tarefas deve ser bem firmado. Olhar o pequeno enquanto os pais fazem algo, tudo bem. Porém, deixar o primogênito o dia inteiro em casa, trocando fralda e abrindo mão de sua infância, não é saudável nem indicado.

Escolher a roupa sozinho
Algumas crianças fazem isso desde os 3 anos. Porém, mesmo assim, elas não têm percepção das suas combinações. A mãe não deve podá-las de tal escolha, mas, sim, fazer uma seleção e oferecer três opções para que a criança decida qual delas prefere. Com isso, você também estará ensinando seu filho a tomar decisões quando lhe forem apresentadas opções.

Atravessar a rua sozinho
A partir dos 10 anos (desde que lhe tenha sido ensinado sobre a segurança de sempre atravessar na faixa, respeitar o semáforo e olhar para os dois lados da rua), a criança já consegue atravessar sem perigos. Antes dessa idade, é muito arriscado, pois ela ainda não tem noção de distância entre o carro e a sua posição, nem maturidade suficiente para compreender as consequências de ser atropelada.

Ficar sozinho em casa
Embora esse seja um hábito praticado por alguns pais que trabalham fora, é preciso que haja cuidado. As crianças não têm responsabilidade nem maturidade suficientes para ficarem em casa sozinhas. O ideal, então, é que elas sempre permaneçam com um adulto até, pelo menos, os 12 anos de idade.

Estudar uma língua estrangeira
Atualmente, as escolas fazem isso a partir dos 3 anos. Esse estímulo é importante para o desenvolvimento da criança, desde que seja feito no colégio. Caso contrário, pode causar estresse infantil e prejudicar o processo de alfabetização.

Praticar esportes radicais
Depende muito dos limites de cada criança, assim como andar de bicicleta sem rodinhas. Se ela tem vontade, não tem medo e o esporte é indicado para a sua faixa etária, vá fundo. Só não vale arriscar a saúde dela. Por isso, deve-se respeitar, além das condições emocionais, os aspectos físicos exigidos para a atividade.

Comprar um presente sozinho
A partir dos 12 anos, a criança já pode comprar sozinha um presente para alguém. Desde que sejam estabelecidos pelos pais o quanto gastar, o tipo de loja e como vai chegar ao local, a compra pode ser efetuada.

Revista Super Nanny, ano 1, n. 1.

Todos os direitos reservados | Desenvolvido pela

Tante